Fechar busca

Digite o nome do produto

Digite o nome do produto e toque em Ir ou selecione um produto da lista.
R$ 0,00

Meu Carrinho

Indique amigos e ganhe R$ 40,00

Existe uma lista de alimentos para grávidas evitando durante os meses de formação do bebê. Isso porque na gestação, o corpo da mulher passa por uma transformação enorme e alguns grupos alimentares acabam tendo efeito maléfico para o organismo. A alimentação adequada é essencial para atender as necessidades nutricionais do organismo da mãe e do feto.

Alimentar-se corretamente nessa fase evita problemas gestacionais comuns como anemia, hipertensão e diabetes. A má alimentação pode gerar risco de parto também na desnutrição da mãe e do bebê e uma gravidez de alto, além de aumentar as chances de além. Depois do nascimento a falta de nutrientes importantes pode , inclusive, a fase da vida da criança. Por isso, dedicou-se a um cardápio alimentar e nesse período só mais saúde, para e filho.

Para entender mais sobre o assunto, continue conosco e entenda o que deve estar no cardápio de uma futura mamãe e que é melhor evitar. Confira também nosso post sobre dicas essenciais para uma alimentação equilibrada , já que esses conceitos servem para ajudar toda a família!

 

Alimentos para grávida: o que considera na hora de montar o prato

 

Mulher grávida cortando legumes

 

Existe uma variedade de ingredientes que ingerimos no dia a dia, e cada um deles possui um efeito diferente em nosso organismo. No caso de gestantes tudo funciona um pouco diferente, o metabolismo acaba se alterando pois ainda mais cuidados ao montar o cardápio diário.

 

O ganho de peso durante um parto

 

Segundo o Ministério da Saúde, o ganho de peso normal em uma gravidez saudável deve ser entre 8 a 11 quilos . O órgão orientado que da alimentação equilibrada, deve ser incorporado na rotina da gravidez como prática de atividade física orientada por um profissional. Esse cuidado contribui para o controle do peso e redução dos riscos de doenças. Outra de álcool eliminar o fumo e consumo, pois aumenta consideravelmente o risco de parto.

 

Hidratação adequada

 

Especialistas orientam, e consideram de extrema importância também em todas as fases da gestação, que a mãe é capaz de hidratação. O que ajuda na circulação da água, mantém o fluido amniótico estável, estabiliza a pressão arterial , facilita, é claro, desinfecta o funcionamento da placenta. O ideal é que se ingira, em média, de 1,5 a 2 litros de água por dia, ao longo do dia.

A Panelinha Fit irá te explicar nesse post o que as grávidas devem ou não devem vir também dar algumas ideias de planos, e para esse grupo!

 

Carboidratos: entendem qual o limite para esses nutrientes

 

Durante a gestação, a mulher necessita de mais energia e o grupo de macro nutrientes responsável por isso é, também, o carboidrato. No entanto, a diferença entre a quantidade que uma grávida e outra mulher adulta, é pouca. Por isso não existe a necessidade de “comer por dois” , como dizem por aí. A ingestão em excesso fará com que a futura mãe ganhe peso além do necessário, o que pode não fazer bem para ela e para o bebê.

O consumo de carboidratos é sim essencial, mas é necessário ter um equilíbrio para não exagerar. Esse grupo é dividido em três menores, mas nosremos aos chamados "refinados". Estes são os que as grávidas devem consumir o mínimo possível , alguns dos alimentos dessa classe são:

  • Produtos feitos de farinha branca — pães e bolos, por exemplo;
  • Biscoitos;
  • Arroz;
  • Açúcar refinado (cristal).

Substitua esses itens por outras fontes de carboidratos, os integrais são a melhor opção nesse caso! Veja ideias de açúcar Sobremesas: menos e mais sabor!

 

Proteínas: escolha bem as carnes

 

Como são parte fundamental da nossa alimentação, a importância delas só depende de suas proteínas. Esse nutriente ajuda na produção de células e faz com que os tecidos do bebê se formem. O recomendado é a ingestão de cerca de 60g de diárias, e pode ser por meio como:

 

Carne assada em prato.

 

  • Carnes;
  • Ovos;
  • Feijão;
  • Nozes e castanhas;
  • Leite e resultados.

Entenda mais sobre os benefícios da carne vermelha em nosso post completo sobre o assunto!

 

Gorduras: quais são boas e quais não são?

 

As restrições são separadas em três grupos: separadas, trans e insaturadas. Algumas delas são tratadas como as nossas e outras como maléficas, verdade que todas elas são mas determinadas para os nossos organismos, tudo da quantidade ingerida . Grávidas devem evitar uma aula de aprendizagem que está presente em:

  • Bolos e doces;
  • Carnes gordurosas;
  • Derivados de laticínios – como queijos, manteiga e outros;
  • Alguns vegetais vegetais como dendê, coco e palma.

Esses exemplos aumentam os níveis de colesterol, que oferecem riscos para nossa saúde. No entanto, as vitaminas insaturadas como castanhas e oleaginosas em geral, peixes, abacate e outras, são essenciais para nós. Elas inclusive são destinadas à formação do cérebro do feto, que é formada majoritariamente por gordura.

 

Vitaminas: um cuidado maior para grávidas

 

As vitaminas são nutrientes básicos para o nosso corpo e nós precisamos delas para que as funções do nosso organismo sejam feitas. É comum que as gestantes precisem tomar uma suplementação para que não tenha problemas no feto.

 

Laranja, limão e kiwi cortados.

 

Podemos dar destaque para a vitamina A que idade na formação das células, coração, aparelho circulatório e digestivo do feto. É possível encontrar-la em óleo de peixe, gema de ovo, frutas vermelhas e amarelas, vegetais amarelos, vermelhos e verdes escuros . Portanto, esses são alguns alimentos para grávidas terem em seu cardápio.

Mas fique atento, existem duas delas que é recomendável não aumentar o consumo normal durante 9 meses, são elas: a vitamina C e. saúde da mãe e do bebê. Sendo assim, manter um equilíbrio no consumo de frutas como laranja, acerola, caju, e manga, por exemplo.

 

Alimentação para gestantes durante os trimestres

 

Grávida com pote de salada nas mãos

 

É importante que existam alguns trimestres da gravidez que precisam ser consumidos diferentes, portanto, alguns meses diferentes variam com os nutrientes. Nos primeiros 6 meses como substâncias essenciais são :

  • Ácido fólico ou B9: Agem na prevenção do feto na formação do tubo neural que dá origem ao cérebro e medulal. Os alimentos ricos nesse ácido são os vegetais escuros, brócolis, frutas cítricas, feijão, sementes e outros;
  • Vitamina C : Essa vitamina tem a função fortalecedora do sistema imunológico, de agir no colágeno da pele, dos sanguíneos, dos ossos e da cartilagem, além de aumentar a absorção do ferro. Lembre-se de não consumir-la em excesso;
  • Magnésio: Esse mineral tem a função de ajudar na formação dos tecidos do corpo do bebê. Alguns alimentos que contêm magnésio são a uva, banana, granola, trigo, aveia, nozes, amendoim, alimentos, soja, peixes, batata, etc.
  • Vitamina B6: Conhecida também como piridoxina, é bem importante para o crescimento e peso do feto. Também atua na depressão da depressão pós-parto. É encontrada em abundância em alimentos de origem vegetal e animal como peixes, peixe, batata e frutas.
  • Ferro: O ferro é fundamental para que mãe e filho não tenham anemia. O ferro é responsável, responsável pelo transporte pela produção de sangue. Alguns alimentos ricos em ferro são os vegetais verdes-escuros, carne vermelha, algas, cereais, feijão, ervilha, etc.
  •  

Já o terceiro requer cuidado com alguns nutrientes diferentes dos trimestres anteriores. Saiba quais são:

  • Cálcio: O cálcio é responsável pela formação da estrutura óssea do bebê e é o mineral necessário na dieta da gestante. Além disso, também auxilia na produção de leite após o parto. É encontrado em alimentos como laticínios, sardinha, espinafre, tofu, castanha do Pará, feijão cozido, entre outros;
  • Fibras: As fibras são úteis para ajudar a mamãe a evitar problemas intestinais, que podem ser comuns nessa fase.
  • Vitamina D: Participação da absorção do cálcio e formação dos ossos e dentes do feto. É encontrada em peixes gordurosos como salmão, também em ovos, margarina e manteiga. O banho de sol por 15 minutos sem protetor solar também ajuda a sintetizar a vitamina D.

 

Alimentos que a gestante não pode inserir de jeito nenhum no cardápio

 

Além de todos esses cuidados que já foram consultados, existem modos que não são de algum modo recomendados para gestantes e podem ajudar a saúde e a criança que está sendo informada. São eles:

 

Homem e mulher sentados em mesa almoçando.

 

  • Alimentos higienizados ou que não foram lavados adequadamente, já que podem vir contaminados e provocar a Toxoplasmose. Isso pode gerar aborto , parto, malformação do feto e sua morte;
  • Ovos crus ou mal passados ??podem conter a bactéria Salmonella que provoca diarréias graves, vômitos, febre e até a morte.
  • Café e alimentos à base de cafeína, como Coca-Cola e chás, devem servir de base. O excesso de cafeína pode provocar abortos;
  • Álcool, pois não acumula no organismo do feto ele pode causar parto, atraso no crescimento cardíaco;
  • Alimentos crus como peixes e carnes, podem vir contaminados com Listeria, bactérias que podem provocar aborto e um parto prematuro. Pode também causar Cisticercose , que pode prejudicar o sistema nervoso do cérebro do bebê;
  • Sal em excesso na alimentação da gestante pode causar hipertensão gestacional. Além disso, pode alterar a programação genética do feto provocando hipertireoidismo e hipertensão na idade adulta.

Com todas as orientações da Panelinha Fit sobre alimentação para gestante, fica mais manter uma alimentação equilibrada nessa fase tão delicada da vida. Não esqueça que uma rotina saudável também depende da prática de exercícios e da hidratação. Para entender mais sobre esse assunto, confira o post Dicas de saúde para melhorar sua vida e seu bem-estar e fique mais informado!

 

Está em busca de uma boa alimentação?